História N. Sra. Natividade
         
Como Chegar   Oração Minha história Inf Turistica Contato

   

História de Nossa Senhora de Natividade

As Aparições de Nossa Sra. De Natividade

   AS APARIÇÕES - Foram em número de cinco e testemunhadas unicamente pelo médico, cuja reação ás duas primeiras foi de espanto, e de indescritível emoção pe perplexidade às seguintes. A terceira, devido ao aparecimento misterioso da pedra (Cefas), único fato visto e confirmado por mais cinco pessoas, foi a mais impressionante. Todas ocorreram de tarde e num só lugar. A primeira, que durou segundos, tendo Nossa Senhora apenas dito: "Não se assuste, volte", aconteceu a 09 de maio de 1967, quando ele se encontrava a sós, inspecionando a construção de um rego na fazenda Coqueiro, propriedade de sua família. A segunda, de rápida duração também, e na qual Nossa Senhora desapareceu sem nada dizer, sucedeu oito dias após, a 17 de maio, estando ele em companhia do seu administrador Jerônimo Zuza e do fazendeiro Anir Silva. Na terceira, a 12 de julho do mesmo ano, Nossa Senhora ditou, em dez minutos aproximadamente, a primeira e enigmática mensagem, tendo ele, a seu lado, sua senhora, Maria Elisa, o médico Walter Novaes, os fazendeiros Waldir Carvalho e Bartolomeu Barra e o seu administrador, os quais, perplexos, viram, no final, o aparecimento da pedra nas mãos do médico. A 123 de julho de 1968, exatamente um a ano depois da terceira, e não obstante ter ele ido ao local, nesse período, mais de cem vezes, sobreveio a quarta, quando levou e mergulhou pela primeira vez no regato a pedra misteriosa. Nessa aparição, Nossa Senhora, ao ditar a segunda e longa mensagem, contendo uma frase para a qual pediu segredo, identificou-se claramente. Ao término da mesma, que se prolongou por quase uma hora, um fato se deu: uma nuvem escura, isolada no céu claro, pairou sobre o locar, deixando cair uma neblina, seguida de uma aragem, o que causou grande emoção na multidão ali comprimida.
A quinta aparição ocorreu 10 anos depois da terceira, a 12/07/1977, e nela Nossa Senhora pediu para que a Cefas (pedra) fosse colocada na réplica de Sua casa em Éfeso no Santuário, em Natividade, e que, quanto a frase sigilosa de sua 2a mensagem (4a. aparição) Ela própria breve, diria o que fazer. Ao afirmar que de Èfeso ela foi levada ao encontro de Seu Filho no Reino de Deus, Nossa Senhora pôs um ponto final na controvérsia histórica quanto ao verdadeiro local de Sua gloriosa Assunção.

    O LOCAL - As aparições tiveram lugar num único ponto do regato existente no sítio milagre, adquirido em princípios de 1967 e integrante da fazenda Coqueiro, situada perto de Natividade, cidade do extremo-norte do estado do Rio de Janeiro. Essa singular e estranha denominação do sítio - Milagre - embora constando dos registros da Prefeitura desde 1942, era desconhecida até princípios de 1968, e foi descoberta, por acaso; pelo fazendeiro Aloísio Silva, depois, portanto, da terceira aparição. Ninguém lhe explica bem a origem.

   O REGATO - Nasce em rochas elevadas e a água é límpida e puríssima. Em frente ao oratório está assinalado o lugar onde Nossa Senhora apareceu. Aí, também, se deu o aparecimento da pedra nas mãos do médico.

   A FIGURA DE NOSSA SENHORA - Ela apareceu sempre em "carne e osso", conforme expressão do médico, nítida e inconfundível como criatura humana vista a curta distância. Olhava-o fixamente. Sua postura ereta, com as mãos juntas acima da cintura e os pés descalços dentro do leito raso do regato. Um destaque impressionante: as mãos e os pés eram dourados! Usava vestido inteiriço, de mangas largas, de tecido grosso e modelo primitivo. Cinza-azulado claro e manto igual na cabeça. È alta, magra, aparentando quarenta e poucos anos. Pele alva, rosto oval e bonito, com uma expressão acolhedora e santa. Olhos grandes, bem afastados um do outro, castanhos -claros, sendo da mesma cor dos cabelos. Voz suave, num português perfeito. Sorriu uma vez na primeira aparição e tornou-Se triste na quarta, ao ditar a seguinte frase: "Que conserve meu templo sempre aberto, instransigível e inviolável".

   A IDENTIFICAÇÃO - Embora já transparecendo nas frases iniciais da primeira mensagem, a identidade de Nossa Senhora só se revelou claramente, por Suas próprias palavras, na quarta aparição. Nesta, também, o médico tem a comprovação na frase em que Ela se refere ao seu pedido de Fátima e Lourdes, cujo conteúdo só ele conhecia.

   AS MENSAGENS - Foram todas ditadas pausadamente e os originais podem ser vistos. As duas primeiras encerram algumas frases de difícil interpretação. A segunda, que contém a frase sigilosa, e, principalmente, uma exortação de profundo sentido espiritual e religiososo.

   A PEDRA MISTERIOSA - Pesa quase duzentos gramas e foi classificada pelo Ministério de Minas e Energia como sendo Hematita, dos mais importantes minérios de ferro e grandeza do Brasil, mas não encontrada na região de Natividade. É exposta, permanentemente, em cofre relicário de segurança, na casa da Nossa Senhora, no local das aparições.

   O RETRATO FALADO - Foi executado, após a terceira aparição, em agosto de 1967. Resultou de perseverante colaboração do médico e graças, sobretudo, ao talento artístico da pintora e poetisa, professora Iraci do Nascimento e silva. O original está em Natividade e reproduz com fidelidade o rosto de Nossa Senhora em Suas aparições, conforme Ela própria mencionou na segunda mensagem.

   O SANTUÁRIO - Foi construído em 1967, no local das aparições e após a terceira. Por causa da frase enigmática que fala em Éfeso, contida na segunda mensagem, o médico visitou Éfeso em 1973, e, em 1974, fez erigir, aí, uma réplica-exata e única no mundo da casa, situada nas proximidades daquela cidade, hoje, da Turquia, onde Nossa Senhora viveu 9 anos e de onde foi alçada gloriosamente ao Céu. A casa de Èfeso foi visitada pelos Papas Paulo VI, em 1967, e João Paulo II, em 1979.

   A IMAGEM - É de autoria do escultor Matheus Fernandes, do Rio de Janeiro. A de bronze foi entronizada no Santuário em 1969, e a de gesso, pintada, está no altar da réplica da Casa de Éfeso,. Ambas simbolizam a figura de Nossa Senhora em Suas aparições.

   O TÍTULO - A exemplo do que se tem dado com outros idênticos mistérios, o povo consagrou o nome - Nossa Senhora de Natividade que se diferencia do da padroeira da cidade desde a fundação, que é Nossa Senhora da Natividade.

   AS ROMARIAS - São permanentes , gente de todas as partes do País e do estrangeiro. Os locais são franqueados, bem como são gratuitas a colheita d'água e a distribuição de impressos. Só não se permite tocar na pedra ou conhecer a frase sigilosa.
O MÉDICO - É católico. Nasceu no Amazonas, em 1915. É também advogado e fazendeiro. Foi duas vezes deputado estadual, abandonando a política em 1959. Aposentou-se como consultor jurídico da Secretaria de Segurança - RJ. Casou-se em 1938 com Maria Elisa Guimarães de Faria e tem um filho advogado e dois engenheiros agrônomos. Faleceu em dezembro de 1981, em Natividade.

   A DIVULGAÇÃO - Com a aparição misteriosa da pedra, constante de depoimento insuspeito das cinco pessoas que também testemunharam o fenômeno - prova incontestável da realidade sobrenatural dos fatos vividos - o médico iniciou a divulgação das espantosas e sublimes aparições. E o fez, endossado por conselhos eclesiásticos, com todo o respeito à Igreja, cujo pronunciamento ele tanto almejava.

   A POSIÇÃO DA IGREJA - Apesar do silêncio ou da reserva, naturais e compreensíveis, das autoridades diocesanas, são numerosos os membros de ordens religiosas que, me caráter de devoção ou estudo, visitam Natividade. O primeiro prelado a procurar o médico foi D. Luiz Sartore. Arcebispo de Santa Maria- RS, e o primeiro dignitário episcopal a visitar o Santuário foi D. José Joaquim Gonçalves, Bispo -Auxiliar de Curitiba, que ali rezou e abençoou os romeiros presentes.


1ª MENSAGEM DE NOSSA SENHORA

    Ditada em sua 3a. aparição ao médico Fausto de Faria, a 12/07/1967, em Natividade - RJ.

Os meus símbolos têm vários nomes, mas eu sou uma única criatura.
Para os céticos incrédulos, eu sou a mensageira das verdades divinas.
Está água passa por uma Cefas que há muitos anos caiu de onde eu venho.
Quem dela beber, penitenciando-se, conhecerá os milagres da Fé e do Amor.
Não deixe que meu templo seja incendiado - o templo do meu primeiro símbolo.
Apanhe esta Cefas de ferro, minério do qual o Brasil é muito rico. Guarde-a íntegra, em Natividade e todos os anos traga-a para ser colocada nesta água.
Volte à sua vida e ao seu destino.
Ponha as mãos, assim, como estão as minhas, dentro d'água junto aos meus pés.

OBS: O aparecimento misterioso da Cefas (pedra) se deu após a última frase.

2a MENSAGEM DE NOSSA SENHORA

    Ditada em sua 4a. aparição ao médico Fausto de Faria, a 27/07/1968, em Natividade - RJ.

Eu sou realmente Miriam, mãe imaculada de Jesus unigênito.
Meu símbolo primordial, porque característico, é a maternidade divina razão de minha própria existência.
Meu templo, que os ímpios e apóstatas também tentam destruir, é o culto universal a minha condição de mãe de Deus feito homem.
Eu sou a mensageira da Fé e do Amor para a cristandade traumatizada pela discórdia, em meio à humanidade ameaçada em seu espiritualismo.
A Igreja de meu Filho - guardiã e intérprete primeira de sua doutrina - e da qual também sou Mãe, eu transmito a seguinte exortação:
"Que, sem renúncia a sua essência e aos seus valores fundamentais, sabiamente continue a ajustar sua ação à face dos tempos, a fim de melhor cumprir sua sagrada missão espiritual evangelizadora, sobretudo, e participar, da maneira mais ampla e decidida, mas pacificamente, na solução dos problemas de ordem social e econômica, atinentes, à doença, á pobreza, à ignorância e à opressão, indispensável à paz dos povos e das nações.
Que não se esmoreça no longo e árduo caminho de edificação de um só e grande templo que acolha a unificação do cristianismo, ampliando assim, a fé e a pregação em defesa da família e da sociedade contra as forças desagregadoras da decadência espiritual, moral, os preconceitos, o orgulho e o ódio, a maldade e a violência.
Que restabeleça o primado do culto a Deus e a meu Filho, sem mácula das invocações aquelas cujas vidas comprovadamente santas, sejam fortes perenes de virtudes.
Que conserve meu templo sempre aberto, intransigível e inviolável.
Que mantenha a respeitabilidade dos seus templos, a hierarquia e a autoridade dos seus oráculos episcopais, principalmente do maior de Cefas.
Que se acautele com os incendiários da fé e da disciplina em seu próprio seio.
Atenção! Fica a seu critério a conveniência e oportunidade da divulgação da seguinte frase:
"___________________________________________________"
Que o homem na sua genialidade e grandeza - dádivas de Deus - não se ofusque com suas conquistas.
Em vão prenunciarem, porque este mundo só se extinguirá com a sua luz, não antes de passarem milhões de anos e de haver a humanidade caminhado para outros mundos.
Enquanto não for depositada definitivamente, no templo do qual sou padroeira, em Natividade, que jamais falte alguém para guardar e aqui trazer, todos os anos, esta Cefas, penhor e símbolo da minha presença permanente neste regato e neste recanto abençoado de fé e esperança, de consolo e resignação, e onde as graças por meu meio obtidas, sejam apenas registradas no silêncio da humildade, das orações e penitências, em favor dos sofredores e infelizes, das almas, da união das famílias cristãs e espirituais, dos pecadores e incrédulos.
Esta é a minha imagem, nesta revelação. Que seja divulgada com esta mensagem.
O seu pedido de Fátima e de Lourdes não pode ser atendido, porque a fé não está condicionada as revelações de Deus. Sejamos bons e humildes e oremos para alcança-la e senti-la.
Este é meu segundo e último adeus desde Éfeso.
Eu o abençôo a todos aqui presentes que vieram com fé ou em busca da fé, e desejo que minha benção maternal chegue a todos quantos , homens e mulheres, em todas as partes do mundo, com renúncia, abnegação e sacrifícios, está a serviço de Deus em seu apostolado e ministério.
Não sinta a indiferença e o insulto dos orgulhosos e descrentes. Reze por eles. Adeus

3a MENSAGEM DE NOSSA SENHORA

   Ditada em sua 5a. aparição, em Natividade - RJ, a 12/07/1977

Dez Anos. Não se aflija mais com a responsabilidade da CEFAS e da frase sigilosa em seu poder.
Deposite a primeira, embutida em cristal visível no meu novo templo, imagem de Éfeso, de interonde me levaram ao encontro do meu Filho no Reino de Deus.
Quanto à frase, eu lhe direi em breve.
Perdôo-o . O importante e que eu estou vendo a todos.
(Este último parágrafo foi uma resposta aos constantes apelos do Dr. Fausto para que Ela aparecesse a outras pessoas). Até breve.